[ editar artigo]

Não pisei numa formiga

Não pisei numa formiga

Estava para concluir meu próximo passo até que na minha frente estava uma formiga grande o suficiente pelo menos para eu a enxergar, pisar com o calcanhar e não concluir o passo, um inseto não foi pisoteado, graças a percepção, ou sorte.

Paro e penso, quantas serão as pisadas que damos ao decorrer da vida, quantos insetos são pisoteados e nem sabemos, e no dia a dia, será que a falta de percepção sobre nossas atitudes pode fazer com que as pessoas se sintam pisoteadas?

Da mesma forma que damos um passo, cometemos atos, do mesmo modo que é normal andar, certas atitudes de tanto praticar para nós já é comum.

Pode ser que o que pareça corriqueiro e inofensivo para nós, seja modo de falar ou dizer o que pensa, possa de alguma forma prejudicar ou incomodar o próximo, seus sentimentos. Tão inúmeras são as possibilidades que temos de agir que creio caber uma maior autoanalise sobre nossos atos.

 

Se estamos nesse mundo em comunidade, talvez seja exatamente para a cada dia aprender a compartilhar, respeitar e amar. Ter sensibilidade e empatia pelo próximo é um bom começo para se chegar lá.

 

Comunidade Marketing de Gentileza
Washington Alves Avelar
Washington Alves Avelar Seguir

Amante de animais, dono de cachorros, fã de Mario Bros e Sonic. Formado em RH e gestão de turismo. Com experiência nas áreas de atendimento e monitoria de qualidade. Aprendiz constante de conceitos no que se refere a sensibilidade humana.

Ler conteúdo completo
Indicados para você